La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

OMG! La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Maria Vaz em Seg Fev 06, 2017 6:47 pm

La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!


Eu fui ver o filme La La Land, e gostei. Não do modo como todos estão falando a respeito, mas eu gostei, sem ênfase, mas gostei!

E sabem o que eu mais gostei?

Quando eu vi os protagonistas cantando e dançando num parque próximo a Hollywood, onde havia um observatório!!

Eu fiquei impactada, porque eu tinha certeza que Mike havia contado uma história e era em um parque onde havia um observatório!!

Eu tive que pesquisar e... eu estava certa! BINGO! Era O Griffith Park, onde há um observatório, exatamente onde Mike esteve!!! E contou uma história sobre isso!! Vejam!!

Será que alguém pode traduzir para que todos possam entender???
Eu já fiz isso antes para postar em um tópico de Natal, mas não consigo encontrar onde está...

Bem, aqui está o artigo em inglês!


THE DAY I STOLE A CHRISTMAS TREE!
7 de julho de 2014 às 22:20
THE DAY I STOLE A CHRISTMAS TREE!



BY Michael Landon



I will never forget the day I stole A Christmas Tree. I can’t alibi my actions with youth, with not knowing better. I knew exactly what I was doing, including the possible consequences to myself, my wife and my son. Nor was it a rash decision. I planned it carefully and with great details, and if I talk about it today, I do it only because, in spite of the fact that I tried to make up for it, I have never been able to clear my conscience of the guilt. I only hope that by telling about it, I may prevent someone else from committing a similar transgression.

I hadn’t been married quite one year when it happened. I wanted a tree for my wife Dodie and my six-year-old stepson, Mark, very badly, but I couldn’t afford one. The money I made barely provided for rent and three meals a day. Often we got along on two. Neither Mark nor Dodie complained, but the closer we came to the holidays, the more frequently Mark would ask, “When do we get a Christmas tree, Daddy? When will we start decorating it?” “Soon,” I promised him. “Soon we’ll get a tree.” But I didn’t have the faintest idea where the money would come from. About four or five days before Christmas I took Dodie and Mark for a walk through Griffith Park – for the only kind of entertainment we could afford. As we walked along a narrow, winding trail, I suddenly noticed how much the trees on both sides looked like Christmas trees. That’s when I got the idea. Rather abruptly I told Mark and Dodie that it was time to go home. I am sure they did not understand my shortness at the moment, but I did not want to get them involved by explaining. As soon as we got back to the house I called my friend Nick Benet and told him I had to see him immediately. When Nick came to the house, we had a huddled conference in the privacy of the front entrance. When we were through, I told Dodie I had to go out for an hour, but instead of heading for the door, walked into the kitchen and rummaged through the drawers. Puzzled, she watched my search. She was even more astonished when I finally lifted the meat saw out of the drawer. “What on earth do you need that for?” she asked me. “I’d rather you wouldn’t ask me,” I said, feeling guilty. Dodie looked at me in a peculiar way but said nothing.

When Nick and I got in my car, I shoved the saw under my shirt so it wouldn’t be noticed as we drove along. We hit a couple of bumps in the road on the way to Griffith Park and I felt the sharp edges of the saw tear into my skin. It was about four o’clock in the afternoon when we parked the car near the Observatory, climbed over the wall that encircled the parking area and slowly slid down the steep hill. There were a few people around but we were so well hidden by the trees that they didn’t notice us, or if they did they didn’t pay any attention. We looked for about half an hour until we found a tree which I thought would be about right. While Nick stood watch, I started sawing through the trunk until I was about seven-eighths of the way through. All I’d have to do when I came back at night, I figured, was to bend it and it would snap off. The task done, we climbed back up the hill, got into the car and drove home. After dark that night, Nick and I returned to Griffith Park. To our shock, when we reached the Observatory we saw that the parking lot was jammed full of cars for some sort of show they had that night. While we were upset at first, we quickly realized that this might be a break after all, for with all the activity at the Observatory, surely no one would pay any attention to two fellows climbing down the hill. Our plan seemed to be working perfectly. It took but a little effort to snap off the tree. But when we started to drag it back to the parking area, we discovered to our dismay that it must be twenty feet long. We had no saw with us and if I wanted a tree, there was no choice but to go through with our plan. By the time we got to the top, both of us were scratched and bleeding. We were just trying to lift the tree across the wall when a light was flashed into my face. I felt like a criminal who had been caught in the act. Mechanically, I dropped my end of the tree and Nick did the same. As yet we didn’t know whether the officer who was flashing the light in my face had seen it. “The park is closed, fellows,” he said matter-of-factly. He hadn’t noticed the tree. “Is it that late?” Nick cried out with relief. “Yes, you’d better get out of here,” he said kindly. We surely did, but when we drove home I felt miserable. All the work had been in vain; I still wouldn’t have the tree for Christmas, Mark would be disappointed. The shock of being given a warning should have been enough to make me refrain from continuing my plan. It certainly should have kept me from involving my wife. It didn’t. By the way I looked, talked and felt when I got home, it was quite obvious to Dodie that something was terribly wrong. I confessed my whole story to her. She looked at me quietly for a moment, then started to say something, but stopped herself. She thought about it some more and then came back, “What is it you want me to do, Mike?” My instinct told me to say, “Nothing, let’s forget the whole thing.” Instead I burst out, “I want you to help me. I need you.”

Early the next morning Dodie and I drove up to the Observatory. Because the battery of my old car was just about burned out, and not wanting to take a chance on not being able to start the car, we parked it with the front end facing downhill. There were practically no people in the park that early in the morning and Dodie and I managed to lift the tree across the wall and carry it towards the car. Suddenly we saw a couple of kids run towards us. Instinctively we dropped the tree and when they got close, I shouted, pointing at it, “That sure looks like a Christmas tree, doesn’t it?” Dodie nodded silently. Now a policeman rushed over, too. Again pointing at the tree, I told him, “We just found this tree. It sure looks diseased, doesn’t it? I thought if no one wants it, we’ll take it home for our boy.” The policeman looked at me questioningly. I force a grin. “Some kid must have cut it down.” “Or some nutty adult,” he said at last. “Well, maybe we’d better leave it, although it isn’t any good to anybody,” I said finally. “If you want to, you can take it to the National History Museum.” The policeman told us. “If the Ranger say’s the tree’s not diseased, you can have it. Dodie and I couldn’t fit the tree into the trunk, but we did manage to get it into the back seat of the open convertible, with the top hanging out eight or nine feet beyond the bumper. We headed downhill, but we hadn’t gone more than half a mile when the officer pulled up behind us. “Just follow me,” he shouted as he drove ahead. Now I was sure we’d had it. The ranger would discover that the tree was freshly cut and healthy, put two and two together – and Mark would spend Christmas alone while his parents were in jail, I told myself. About half a mile from the entrance the policeman waved his arm toward the Natural History Museum and then pulled away. I breathed more easily. Fate had been with us, I told myself as I slowed down, waited until the policeman was out of sight and then, passing the museum, turned left onto Los Feliz Boulevard, heading for home. I didn’t get far. A minute after we had left Griffith Park, I heard the sirens behind me. A few seconds later a fire truck pulled up behind us and the driver ordered us to pull over. “Where did you get that tree?” he shouted at me. I told him the same story I had told the policeman. And his reaction was just like the officer’s. “Take it to the Natural History Museum,” he told me. “Better yet, follow me.” He drove all the way to the museum, and waited as Dodie and I pulled the tree out of the car and walked to the side entrance on the far side. While the fireman was carefully watching us, I knocked at the door. There was no answer. I knocked again, harder, and then I peeked through the window and saw that the ROOM was empty. I tried the door handle. Finding that the door was unlocked, I stepped inside and loudly said, “Hello.” I started talking just loud enough for the fire warden to hear my voice, and I answered myself with a different intonation. After a few minutes I came back out of the door and told him the ranger had said it was okay for me to take the tree. Of course, there had been no ranger. For an instant, I thought the fireman would seek to verify my information, but he just drove off. As Dodie and I drove back home we had such a guilty feeling about what we had done that we hardly talked to each other. We parked the car in front of the house and, when we dragged the tree into the room, we found it was way too high for the ceiling. So I chopped off a good part of it – and promptly split the tree right down the middle in the process. It was another bad omen. Dodie got some wire and I wired it together, then shoved it into a corner of the room because I had to leave for a job interview. When I came back, Dodie was frantic. It seemed the moment I left, all sorts of ugly bugs started crawling out of the tree. In fact, the whole room was crawling with little animals which we had to kill one by one. Both of us knew that such ill-gotten gain would bring no happiness to us, but Mark had no hint of what had happened. All he could see was a beautiful big Christmas tree; he was crying with happiness.

The following day we took what cash we had and bought decorations. Meanwhile, the tree was shedding so fast we feared that by Christmas there wouldn’t be a needle left. Two days later was Christmas and, while the tree looked scraggly, Mark couldn’t have been happier. Dodie and I couldn’t have been more miserable. We realized what we had done. We knew we had to make up for it somehow. On the day after Christmas there wasn’t a green needle on the tree. We took off the decorations, cut up the tree and took it out to the street to be picked up by the trash collector. The same afternoon I got a check in the mail for some work I had done. It was the first money I’d seen in a month. “Now we can really celebrate,” I told Dodie. There was something in the way she looked at me that made me feel even more guilty than I had before. “How much will you need for groceries to see us through the next few days?” I asked her. She told me the barest minimum, which was about a third of the money I’d received. Dodie and I never discussed what should be done with the rest of it. We just knew. I didn’t know much about charitable organizations, but I knew that the Salvation Army was a pretty good outfit to hand a check to, so I took whatever we didn’t need for food for the next few days and gave it to them to ease our consciences. I didn’t quite succeed. I was convinced that the only way to get rid of my guilt was to confess what I had done and take the consequences. On New Year’s Day I drove back to Griffith Park and walked into the Natural History Museum. A tall, middle-aged man in a green uniform was sitting behind the desk. I gave him my name and then started to tell him what had happened. Before I got very far he looked up at me with surprise and some satisfaction in his eyes. “So you’re the boy?” “You know?” He nodded his head. “The police officer reported it the day after Christmas and the man from the fire department told me about a fellow who was talking to himself.” He smiled. So they knew all along, I thought to myself. “Why didn’t they say anything?” I asked the ranger. “It was so close to Christmas,” he said simply. “Thanks,” I said and turned to leave. When I reached the door I looked back, “I promise you I shall never do anything like this again.” “I know you won’t,” he said, then added, “have a happy new year.” I choked hard as I got back into my car and drove home. Although I did give some money to the Salvation Army, although I had confessed my actions, I have lived with a feeling of guilt all this time. I feel that in addition to telling you about it, I still have to tell it to one more person – my stepson, Mark. I hope he will understand, and forgive me.
avatar
Maria Vaz
Moderação
Moderação

Mensagens : 14905
Data de inscrição : 02/08/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Maria Vaz em Ter Fev 07, 2017 4:55 pm

Acabei de encontrar o post que eu havia feito por ocasião de um Natal aqui no nosso rancho, onde eu traduzi essa história contada pelo próprio Mike, e quem for ver ou tiver visto o filme La La Land, vai lembrar dos locais que foram cenário dessa história real de Mike, ao ver o casal principal do filme bailando por ali!!!

Trouxe pra cá o post!!!

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] escreveu:Conforme eu havia prometido, aqui está uma história vivida e contada por Michael sobre o Natal.  Lareira
Eu me diverti muito quando li pela primeira vez, achei hilária a armação de Mike, fazendo lembrar as peripécias de Little Joe, Rindo  Rindo  Rindo
e também me comovi com a ingenuidade de nosso rapaz! Coração batendo fort  Coração batendo fort  Coração batendo fort

É a cara do jovem Mike!!! Adoro

Espero que vocês também gostem e sintam todos os valores e gestos carinhosos aqui implícitos!!! Love!  Love!  Love!  Love!

E para que possam visualizar melhor as cenas, eu busquei na internet algumas fotos do lugar onde a história se passa. Alegria  Alegria  Alegria


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Acima, a Vista de Los Angeles a partir do Parque,
e a provável estrada por onde Mike teve que passar para retornar para casa quando saiu do parque.

Na próxima foto você consegue ver a localização do Observatório dentro do parque e a direção para Los Feliz, onde moravam Mike e Dodie.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]



Aqui está a história de Mike:  Correndo feliz  Correndo feliz  Correndo feliz


O dia em que eu roubei uma árvore de Natal!

Por Michael Landon



Eu nunca vou esquecer o dia em que eu roubei uma árvore de Natal. Eu não posso justificar minhas ações pelo fato de ser jovem, porque eu sabia exatamente o que estava fazendo, incluindo as possíveis conseqüências para mim mesmo, minha esposa e meu filho. Também não foi uma decisão precipitada. Eu planejei cuidadosamente e com grandes detalhes, e se eu falo sobre isso hoje, eu faço isso apenas porque eu nunca fui capaz de limpar a minha consciência da culpa. Só espero que, confessando isso, eu possa evitar que alguém cometa uma transgressão similar.

 Eu ainda não tinha um ano de casado quando aconteceu. Eu queria profundamente dar uma árvore de Natal para minha esposa Dodie e meu enteado Mark, mas eu não podia pagar uma. O dinheiro que eu ganhava mal dava para pagar o aluguel e três refeições por dia. Muitas vezes tínhamos apenas duas refeições ao longo do dia.

Nem Mark nem Dodie reclamavam, mas o quanto mais chegávamos perto das festividades, maior era a frequência com que Mark perguntava:
"Quando é que vamos obter a nossa árvore de Natal, papai? Quando é que vamos começar a decorar ela?
" Logo ", eu prometi a ele. "Em breve teremos uma árvore."
Mas eu não tinha a menor idéia de onde o dinheiro viria.

Cerca de quatro ou cinco dias antes do Natal, levei Dodie e Mark para uma caminhada através do Griffith Park - para o único tipo de entretenimento que eu podia pagar. Como nós andávamos ao longo de uma trilha estreita e sinuosa, de repente eu percebi como as árvores em ambos os lados pareciam árvores de Natal. Foi quando eu tive a idéia.

Abruptamente eu disse a Mark e Dodie que era hora de irem para casa. Tenho certeza de que não entenderam minha atitude no momento, mas eu não queria envolvê-los em explicações. Assim que voltamos para a casa, eu chamei meu amigo Nick Benet e lhe disse que tinha de vê-lo imediatamente.

Quando Nick chegou em minha casa, tivemos uma rápida conversa na privacidade da entrada da frente de casa. Então eu disse à Dodie que eu tinha que sair por uma hora, mas em vez de ir para a porta, entrei na cozinha e vasculhei as gavetas. Intrigada, ela observava minha busca. Ela estava ainda mais surpresa quando finalmente eu tirei da gaveta um pequeno serrote. "Para que diabos você precisa disso?" Ela me perguntou. "Eu prefiria que você não me perguntasse," eu disse, sentindo-me culpado. Dodie olhou para mim de uma forma estranha, mas não disse nada.

Era cerca de quatro horas da tarde quando estacionamso o carro perto do Observatório, pulamos o muro que circundava a área de estacionamento e lentamente deslizamos pela ladeira íngreme. Havia poucas pessoas ao redor, mas nós estávamos tão bem escondidos pelas árvores que não nos notaram, ou se o fizessem, não prestaram nenhuma atenção. Procuramos por cerca de meia hora até encontrar uma árvore que eu pensei que seria perfeita. Enquanto Nick vigiava, eu serrava o tronco. Pronto! Tudo que eu tinha que fazer então era voltar para casa e esperar escurecer para poder retornar ao local e poder pegar a árvore e levar até o carro. Subimos a colina, entramos no carro e fomos para casa.

Após escurecer, Nick e eu voltamos para Griffith Park. Para nosso espanto, quando chegamos ao Observatório vimos que o estacionamento estava repleto de carros para algum tipo de show que haveria naquela noite. Enquanto estávamos chateados no início, rapidamente percebemos que isso poderia ser providencial, pois com toda a atividade do Observatório, com certeza ninguém iria prestar atenção a dois sujeitos descendo o morro. Nosso plano parecia estar funcionando perfeitamente.

Arrastar a árvore para a área do estacionamento  foi mais difícil do que pensávamos, pois a árvore era muito maior do que achávamos no início, e quando chegamos ao topo, ambos estávamos arranhados e sangrando.

Nós estávamos apenas tentando passar a árvore para o outro lado do muro quando uma luz brilhou no meu rosto. Eu me senti como um criminoso que havia sido pego em flagrante. Mecanicamente, eu larguei a árvore e Nick fez o mesmo.Nós ainda não sabíamos se o agente que estava piscando a luz na minha cara tinha visto, quando ele disse com naturalidade: "O parque está fechado, companheiros". Ele não tinha notado a árvore.

"É tão tarde?" Nick gritou com alívio. "Sim, é melhor vocês sairem daqui", disse ele gentilmente. Nós certamente fizemos, mas quando voltamos para casa eu me senti miserável. Todo o trabalho havia sido em vão, eu ainda não teria a árvore de Natal, Mark ficaria desapontado.

O choque de ter tido uma advertência deveria ter sido o suficiente para fazer-me abster de continuar o meu plano. Certamente deveria ter me impedido de envolver a minha esposa. Mas não o fez.

Quando eu cheguei em casa, pelo jeito que eu aparentava, falava e sentia, era bastante óbvio para Dodie que algo estava terrivelmente errado. Eu confessei a minha história inteira para ela.

Ela me olhou em silêncio por um momento, e então começou a dizer algo, mas se conteve. Ela pensou mais um pouco e depois voltou, "O que é que você quer que eu faça, Mike?" Meu instinto me disse para dizer: "Nada, vamos esquecer a coisa toda." Em vez disso, eu explodi: "Eu quero que você me ajude. Eu preciso de você ".


Na manhã seguinte, Dodie e eu nos dirigimos para o Observatório. Porque a bateria do meu carro velho foi quase pifada, e não querendo dar uma chance a não ser capaz de ligar o carro, eu deixei estacionado com a frente voltada para baixo. Praticamente não havia pessoas no estacionamento no início da manhã e Dodie e eu conseguimos passar a árvore pelo muro e levá-la para o carro. De repente, vimos dois garotos correndo em nossa direção. Instintivamente, deixamos a árvore cair e quando eles chegaram perto, eu gritei, apontando para a árvore, "ela se parece com uma árvore de Natal, não é?" Dodie assentiu em silêncio. Agora, um policial correu também. Novamente apontando para a árvore, eu lhe disse: "Nós só encontramos esta árvore. Ela se parece doente, não é? Eu pensei que se ninguém quiser ela, nós vamos levá-la para casa para o nosso filho. "O policial olhou para mim interrogativamente. Eu forcei um sorriso amarelo e disse. "Algum garoto deve ter cortado ela." "Ou algum adulto amalucado", disse ele, por fim. "Bem, talvez seja melhor eu deixar ela aqui, embora isso não seja bom para ninguém", eu disse finalmente. "Se você quiser, você pode levá-lo para o Museu de História Nacional." O policial nos disse. "Se lá, o guarda florestal disser que a árvore está doente, você poderá levá-la. Dodie e eu conseguimos colocar a árvore no banco de trás do conversível aberto, com a parte superior muito além do pára-choque. Pensávamos que íamos embora ao invés de irmos ao Museu, onde estaria o Guarda Florestal.

Mal tínhamos nos afastado quando o oficial parou atrás de nós: "Apenas siga-me", ele gritou enquanto ele dirigia pela frente. Agora eu tinha certeza. O guarda florestal iria avaliar que a árvore havia sido recentemente cortada e estava saudável, somaria dois mais - e Mark iria passar o Natal sozinho, enquanto seus pais estariam na cadeia, eu disse a mim mesmo. Cerca de meia milha antes da entrada o policial acenou o braço em direção ao Museu de História Natural, se despedindo, e então se afastou. Eu respirei mais facilmente. A sorte estava do nosso lado, eu disse a mim mesmo enquanto eu reduzi a velocidade e esperei até que o policial estivesse fora de vista e, em seguida, passando o museu, virei à esquerda para Los Feliz Boulevard, indo para casa. Não era muito longe.

Um minuto depois que eu havia deixado Griffith Park, ouvi as sirenes atrás de mim. Poucos segundos depois, um caminhão de bombeiros parou atrás da gente e o motorista nos mandou encostar. "De onde você tirou essa árvore?", Ele gritou para mim. Eu disse a ele a mesma história que eu havia dito ao policial. E sua reação foi exatamente igual a do oficial. "Leve-a ao Museu de História Natural", ele me disse. "Melhor ainda, siga-me." Ele levou todo o caminho para o museu, e esperou que Dodie e eu puxássemos a árvore para fora do carro e caminhou até a entrada lateral do outro lado. Enquanto o bombeiro foi cuidadosamente nos observando, eu bati na porta. Não houve resposta. Bati novamente, mais forte, e então eu espiei pela janela e vi que o escritório estava vazio. Eu tentei a maçaneta da porta. Constatação de que a porta estava destrancada, entrei e em voz alta disse: "Olá". Comecei a falar apenas alto o suficiente para que o bombeiro ouvisse a minha voz, e eu respondi com uma entonação diferente. Depois de alguns minutos eu voltei para fora da porta e disse que o guarda tinha dito que estava tudo bem para eu levar a árvore. Claro, não havia guarda florestal algum. Por um instante, pensei que o bombeiro iria procurar verificar minhas informações, mas ele só foi embora.

Quando Dodie e eu dirigimos de volta para casa tivemos um sentimento de tanta culpa sobre o que tínhamos feito que quase não conversávamos. Paramos o carro na frente da casa e, quando arrastamos a árvore para a sala, descobrimos que era muito alta para o teto. Então eu cortei uma boa parte dela - e empurrei para um canto da sala, porque eu tinha que sair para uma entrevista de emprego. Quando eu voltei, Dodie estava frenética. Parecia que desde o momento em que saí, todos os tipos de insetos feios começaram a engatinhar para fora da árvore. Na verdade, todo o ambiente estava cheio de pequenos animais que tivemos de matar um por um.

Nós dois descobrimos que o ganho através de ilícitos não nos traria nenhuma felicidade, mas Mark não tinha nenhuma idéia do que tinha acontecido. Tudo o que podia ver era uma bela grande árvore de Natal, e ele estava chorando de felicidade.

No dia seguinte, levamos todo o dinheiro que tínhamos para comprar decorações. Enquanto isso, a árvore estava se deteriorando tão rápido que eu temia que no Natal não haveria um só galho com vida. Dois dias depois, era Natal e, ainda que a árvore estivesse toda desgrenhada, Mark não poderia ter sido mais feliz. Dodie e eu não poderíamos ter sido mais infelizes. Percebemos a extensão do que tínhamos feito.

Sabíamos que tínhamos que compensar isso de alguma forma. No dia depois do Natal, não havia um fiapo verde na árvore. Tiramos as decorações, cortamos a árvore e levamos para a rua para o coletor de lixo.

Na mesma tarde eu recebia um cheque pelo correio por algum trabalho que eu tinha feito. Foi o primeiro dinheiro que eu tinha visto em um mês. "Agora podemos realmente comemorar", disse Dodie. Havia algo na maneira como ela olhou para mim que me fez sentir ainda mais culpado do que antes. "Quanto você vai precisar de mantimentos para os  próximos dias?" Eu perguntei a ela. Ela me disse o estritamente necessário, que era cerca de um terço do dinheiro que eu tinha recebido. Dodie e eu não precisamos discutir o que devia ser feito com o resto. Nós apenas sabíamos.

Eu não sabia muito sobre organizações de caridade, mas eu sabia que o Exército da Salvação era um equipamento muito bom para entregar um cheque, então eu peguei o que nós não precisávamos para comprar comida para os próximos dias e dei a eles para aliviar nossas consciências.

Eu não foi bem sucedido. Eu estava convencido de que a única maneira de me livrar da minha culpa seria confessar o que eu tinha feito e assumir as conseqüências. No dia de Ano Novo, eu dirigi de volta para Griffith Park e entrei no Museu de História Natural.

Um homem alto, de meia-idade em um uniforme verde estava sentado atrás da mesa. Eu lhe dei o meu nome e, em seguida, comecei a contar o que tinha acontecido. Antes de eu chegar muito longe, ele olhou para mim com surpresa e alguma satisfação em seus olhos. "Então você é o garoto?"

"Você sabia?"

Ele acenou positivamente com a cabeça.

"O policial informou um dia depois do Natal e o homem do corpo de bombeiros me informou a mesma coisa depois."  Ele sorriu.

Então, eles sabiam o tempo todo, eu pensei comigo mesmo. "Por que eles não disseram nada?" Eu perguntei ao guarda florestal.

"Foi tão perto do Natal", disse ele simplesmente.

"Obrigado", eu disse, e me virei para sair. Quando cheguei à porta, olhei para trás, "Prometo que nunca farei nada igual novamente." "Eu sei que você não vai", disse ele, e acrescentou, "tenha um feliz ano novo."

Engasguei duro como Voltei para o meu carro e fui para casa. Apesar de eu dar algum dinheiro para o Exército da Salvação, embora eu tivesse confessado minhas ações, eu vivi com um sentimento de culpa todo esse tempo. Eu sinto que, além de contar sobre isso agora, eu ainda tenho que contar para mais uma pessoa - o meu enteado, Mark. Eu espero que ele entenda e me perdoe.


avatar
Maria Vaz
Moderação
Moderação

Mensagens : 14905
Data de inscrição : 02/08/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Miriam Landon em Ter Fev 07, 2017 8:27 pm





Que bom você ter encontrado o post já traduzido, Maria! Joia!


Também achei muito divertida a armação que Mike aprontou, mas depois chega realmente a comover pela ingenuidade dele. Love!


Coitado, com a consciência pesada, achava que seria punido por tentar fazer a alegria do enteado...Adoro


E muito humilde por relatar o acontecido para todos! Nas nuvens


Mike sempre nos surpreendendo!!! Coração batendo fort Coração batendo fort Coração batendo fort Amei!!! Coração batendo fort Coração batendo fort Coração batendo fort
avatar
Miriam Landon
Ponderosa User
Ponderosa User

Mensagens : 4243
Data de inscrição : 19/09/2013
Localização : Minas Gerais

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Maria Vaz em Qua Fev 08, 2017 5:38 pm

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] escreveu:



Que bom você ter encontrado o post já traduzido, Maria! Joia!


Também achei muito divertida a armação que Mike aprontou, mas depois chega realmente a comover pela ingenuidade dele. Love!


Coitado, com a consciência pesada, achava que seria punido por tentar fazer a alegria do enteado...Adoro


E muito humilde por relatar o acontecido para todos! Nas nuvens


Mike sempre nos surpreendendo!!! Coração batendo fort Coração batendo fort Coração batendo fort  Amei!!! Coração batendo fort Coração batendo fort Coração batendo fort

Tadinho, né???

Nessa época ele ainda era pobre, pelo próprio relato. O que recebia por aqueles filmes pré-Bonanza, que nós tanto amamos ver, era algo muito irregular, e não dava nem para comprar uma terceira refeição diária, às vezes...

Isso mostra o quanto ele sempre foi um cara lúdico e romântico, fazendo toda aquela loucura para ter uma árvore de Natal!! E olha que ele era judeu!! E a Dodie também!! Mas Mike sempre foi amante das festas e do espirito natalinos.

E tadinho, ele crente que estava enganando os guardas, e eles bem notavam, mas era uma infração tão lúdica que os caras faziam vistas grossas!!! Poor kid!!! Rolando de rir
avatar
Maria Vaz
Moderação
Moderação

Mensagens : 14905
Data de inscrição : 02/08/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  lise raquel em Qui Fev 09, 2017 11:21 am

Que post lindo, Maria!!!


Mike nós surpreende a cada dia Apaixonado Apaixonado!


Achei tão fofo a atitude dele, afinal, ele fez de tudo para alegrar o natal do enteado Olhões Olhões Olhões.



Muita humildade da parte dele votar lá e relatar tudo aos guardas (mesmo eles já sabendo de tudo Rolando de rir, tadinho)!
avatar
lise raquel
Forasteiro
Forasteiro

Mensagens : 92
Data de inscrição : 20/11/2016
Idade : 17
Localização : Piauí

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Silvia em Qui Mar 02, 2017 3:09 pm

Estou aqui toda boba, que coisa mais linda ele partilhar isso e como o coração dele era enorme Thank you! Thank you! Thank you! :383:E ele ainda teve a consciência pesada... O mundo precisa de mais Michael Landon. Obrigada Fan girl Fan girl Fan girl
avatar
Silvia
Membro da Família Cartwright
Membro da Família Cartwright

Mensagens : 2369
Data de inscrição : 02/08/2011
Idade : 55
Localização : Belo Horizonte

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Maria Vaz em Qui Mar 02, 2017 3:34 pm

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] escreveu:Estou aqui toda boba, que coisa mais linda ele partilhar isso e como o coração dele era enorme Thank you! Thank you! Thank you! :383:E ele ainda teve a consciência pesada... O mundo precisa de mais Michael Landon. Obrigada Fan girl Fan girl Fan girl

Você viu La la land???

Eu vi, gostei, mas não achei tudo isso que dizem, e pra ser sincera, o que mais gostei foi quando vi esses locais e senti um friozinho na barriga, achando que era nessa região que Mike morava e que eu já tinha visto esse planetário, esse parque, e então, fui pesquisar, e não deu outra!!! Joia!
avatar
Maria Vaz
Moderação
Moderação

Mensagens : 14905
Data de inscrição : 02/08/2011
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

OMG! Re: La La Land e o o Parque Griffith me fizeram lembrar de Mike!!

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum